Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Heloísa Apolónia - Deputada Partido "Os Verdes"

Os artigos expressos neste blog não reproduzem a posição do Movimento. Trata-se apenas de um espaço de difusão de várias correntes de opinião quer do Sim ou do Não.

O QUE ESTÁ REALMENTE EM CAUSA NO REFERENDO?

No próximo dia 11 de Fevereiro vai-se realizar em Portugal um referendo que colocará aos eleitores a seguinte questão: “Concorda com a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras 10 semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?”

 

Afinal o que está realmente em causa neste referendo?

 

·        As mulheres não são criminosas

Do que se trata verdadeiramente é de saber se os eleitores consideram que a lei penal deve continuar a considerar que uma mulher, pelo facto de ter feito um aborto, seja considerada uma criminosa, e seja sujeita a pena de prisão, como determina a actual lei penal.

 

Ninguém, na nossa sociedade, assume que considera que uma mulher pelo facto de ter interrompido uma gravidez é uma criminosa e deve ir parar à prisão, ou seja, ninguém quer ver esta lei verdadeiramente aplicada. Logo, a lei penal está desfasada do sentimento geral da sociedade e todos se deveriam unir para a alterar, despenalizando o aborto nas primeiras semanas de gravidez.

 

·        Combater uma lei que fomenta as desigualdades

O facto de em Portugal (orgulhosamente só na Europa juntamente com a Polónia e a Irlanda) não ser permitido o aborto a pedido da mulher nas primeiras semanas de gravidez, em estabelecimentos de saúde autorizados, leva a que as mulheres que têm posses económicas optem por se deslocar ao estrangeiro interrompendo a sua gravidez legalmente e em segurança.

 

Por outro lado, aquelas que não têm essa possibilidade, do ponto de vista financeiro, recorrem no nosso país ao aborto clandestino, quantas vezes com consequências profundamente marcantes do ponto de vista da sua integridade física e da sua própria vida. Estas mulheres são as primeiras vítimas da actual lei penal.

 

·        Combater o aborto clandestino

O aborto clandestino é uma realidade considerável no nosso país e a sociedade portuguesa não pode continuar cúmplice desta clandestinidade e indiferente à sua existência e às suas consequências, porque se trata de um problema de saúde pública ao qual a sociedade tem que dar resposta. Só em 2005, segundo um estudo realizado pela APF, foram clandestinamente praticados cerca de 18.000 abortos, sem o acompanhamento clínico adequado e consequentemente com sérios riscos para as mulheres.

 

Permitir que estas mulheres tivessem feito a interrupção voluntária da gravidez em estabelecimento de saúde legalmente autorizado, permitir-lhes-ia uma segurança do ponto de vista médico, para além de um acompanhamento antes, durante e após a intervenção, anulando graves complicações para as mulheres depois do aborto e permitindo-lhes também uma orientação do ponto de vista do planeamento familiar para o seu futuro, por forma a garantir uma sexualidade saudável e segura.

 

·        As mulheres não são inconscientes

Não há nenhuma mulher que faça um aborto de ânimo leve e que entenda o aborto como um método contraceptivo. A grande maioria das mulheres que fizeram um aborto fizeram apenas um no percurso da sua vida (assim o confirma o estudo da APF), por razões claramente ponderadas (por falta de condições económicas, afectivas, familiares, de saúde ou outras). Deverão estas mulheres ser consideradas inconscientes e criminosas?

 

Os métodos contraceptivos falham, especialmente num país que tarda em garantir educação sexual nas escolas e que apresenta ainda grandes falhas ao nível do acesso (e sucesso) ao planeamento familiar.

 

A lei hoje não permite fazer opções, porque a lei só permite uma escolha: quem engravidou indesejadamente é obrigada a levar a gravidez até ao fim! A lei pune as mulheres através de uma gravidez indesejada ou, em alternativa, pune as mulheres por terem interrompido essa gravidez indesejada! Em pleno século XXI esta imposição não é tolerável! Garantir o direito de opção só é possível com a alteração da lei.

 

 

O SIM é a garantia do direito de opção, da dignidade das mulheres, da defesa de uma maternidade desejada e feliz, do combate ao aborto clandestino, do fim de uma lei desadequada e injusta.

 

 

Heloísa Apolónia

Deputada do Grupo Parlamentar “Os Verdes”

26 de Janeiro de 2007


Publicado por mdl às 12:19
Link do artigo | Adicionar aos favoritos
De Shadow_Fighter a 29 de Janeiro de 2007 às 18:38
Apesar de a opinião apresentada ser puramente uma visão política, é uma opinião que respeito, apesar de no seu principal conteúdo não concordar pelo facto de olhármos apenas para a visão da Mulher como sendo ela a principal culpada e detentora do "braço forte" da Justiça. Mas é algo que poderemos sempre olhar de um modo... Mas a vida humana é mais importante que a visão política do conceito da Interrupção Voluntária da Gravidez. Dêm um salto até ao meu local de opinião e terão uma melhor elucidez do que eu falo. http://ocuscolix.blogs.sapo.pt
Obrigado


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


. todas as tags

.Links

.Arquivos

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds