Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

Dr.ª Júlia Rodrigues - Mirandela

Os artigos expressos neste blog não reproduzem a posição do Movimento. Trata-se apenas de uma espaço de difusão de várias correntes de opinião quer do Sim ou do Não.

Despenalização em Referendo

img160/926/jantarps011ev0.jpg

Segundo as estimativas, cerca de 20 mil mulheres por ano, têm a necessidade de interromper uma gravidez que não desejam ou não podem prosseguir. As razões individuais para esta opção, não são conhecidas, variando de mulher para mulher. Tantas vezes é a única solução e a mais difícil das opções. Se, porventura, a medicina pudesse garantir uma contracepção 100% eficaz e só ocorresse uma gravidez quando desejada e planeada, os cidadãos não teriam que votar o referendo da Despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez, agendado para o próximo dia 11 de Fevereiro. Nesta matéria, o actual estado de coisas, merece a nossa atenção e reflexão sobre o que vamos votar, como vamos votar e porque devemos ir votar.

Existem opiniões distintas e há até quem considere não ser matéria própria para referendar. Criam-se argumentos de defesa e ataque que favorecem o desconhecimento, a incompreensão e o extremar de situações reais.

Apesar de ser usual dizer-se que “Cada um sabe de si…”, devemos exigir ao poder político a obrigação de proteger e proporcionar aos cidadãos o direito de opção, o acompanhamento em segurança de ocorrências na saúde das populações e de garantir a prevenção da ocorrência de danos irreparáveis na saúde física e psíquica de mulheres que, escapando à ilegalidade, recorrem a uma de duas soluções. No caso de terem recursos financeiros, recorrem a clínicas privadas, especialmente em Espanha ou, em alternativa, correm o risco de um único momento, de possível retorno à vida da mulher, poder representar a sua morte. É um drama social, representa um risco para a saúde pública, mantém o aborto clandestino e não garante a vida. Se pensarmos o que mudou em Portugal desde 28 de Junho de 1998, data do último referendo, concluímos que os problemas que estão na base da necessidade da interrupção de uma gravidez indesejada não foram resolvidos e que os movimentos criados, a favor e contra a despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez têm responsabilidades especiais na defesa da consciência e da vida. Os valores de consciência e de vida são universais e incontestáveis tal como é a dignidade e a igualdade de oportunidades. O que vamos votar é a possibilidade de alargar as situações em que a interrupção voluntária da gravidez é descriminalizada, deixando de ser punível com pena de prisão até 3 anos.

               Dr.ª Júlia Rodrigues - Presidente da Com. Política do PS/Mirandela


Publicado por mdl às 11:24
Link do artigo | Adicionar aos favoritos
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


. todas as tags

.Links

.Arquivos

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds