Domingo, 4 de Fevereiro de 2007

Eng.º Carlos Cardoso - Mirandela

Os artigos expressos neste blog não reproduzem a posição do Movimento. Trata-se apenas de um espaço de difusão de várias correntes de opinião quer do Sim ou do Não.

Votar no sim não justifica que sejamos a favor do aborto!

 

Basta estar atento às notícias para percebermos que diariamente se realizam interrupções voluntárias da gravidez (em 2005 mais de 3500 mulheres portuguesas abortaram numa clínica de Badajoz). E assim continuará no futuro. Ninguém, nem mesmo os tribunais os poderão fazer parar, visto que, é uma decisão pessoal.

Embora seja pela defesa da vida, em qualquer circunstância, defendo o sim por três razões:

primeira- é duro uma mãe ter que realizar um aborto. Não vale a pena expô-la à tortura do tribunal;

segunda- cada um, em consciência, deve optar se deve ou não realizar um aborto, não é uma decisão colectiva;

terceira- todo o ser vivo que vem ao mundo deve ser amado. Se uma criança não é bem vinda, então, para ser mal tratada e/ou abandonada, mais vale não nascer. Sugiro que vejam as obras sociais que apoiam as crianças sem família ou com família ausente, é muito triste.

A realidade de hoje é a seguinte:

1- não há consultas de planeamento familiar para todas as famílias;

2- existe, ainda hoje, em muitas pessoas, elevado desconhecimentos sobre fertilidade da mulher, sendo por isto extremamente difícil os pais ensinarem os filhos;

3- não está generalizada a educação sexual nas escolas;

4- não existem políticas de apoio à natalidade;

5- não existem politicas que apoiem a adopção;

6- as mulheres da sociedade média a alta fazem os abortos em clínicas no estrangeiros; As mulheres sem recursos fazem-nos em condições de higiene e segurança bastante precárias.

Vamo-nos deixar de hipocrisias, o aborto é um problema de ontem, de hoje e do amanhã, por isso temos que proteger a vida e saúde das mães.

Não à marginalização de, algumas, mulheres porque tiveram de abortar, independetemente das razões, que só a cada um dizem respeitam.

Carlos Cardoso - Mirandela


Publicado por mdl às 19:34
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
3 comentários:
De MORFFINA a 5 de Fevereiro de 2007 às 14:49
Penso que se houver despenalização até às dez semanas, poder-se-á propocionar mecanismos para que haja um maior acompanhamento da mulher na sua decisão de abortar ou não. Algo que não acontece com a necessidade de secretismo. Assim até poder-se-á evitar mais abortos! A despenalização leva a uma maior abertura das pessoas para exporem os seus problemas podendo resolvê-los sem recorrer ao aborto. SIM a despenalização é sem dúvida o mais sensato.


De lobosmaus a 6 de Fevereiro de 2007 às 13:50
olá sou defensor do não porque acima de tudo está a vida ,as razões dos defensores do sim soam a falso como a da defesa da mulher, como se isso hoje não fosse possivel ,há mais de 15 anos que nunca ninguem foi preso, e os casos que tem vindo a ser badalados na tv, são abortos feitos para lá das 14 semanas .Queria perguntar aos defensores do sim o que é que vai trazer de novo esta lei a estas mulheres ?
Deixa a tua opinião em http://lobosmaus.blogspot.com


De MORFFINA a 6 de Fevereiro de 2007 às 23:51
Caro "Lobosmaus"

Não leu o meu comentário, pois não?


Comentar post

. todas as tags

.Links

.Arquivos

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds