Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2007

João Semedo - Deputado Bloco de Esquerda

Os artigos expressos neste blog não reproduzem a posição do Movimento. Trata-se apenas de uma espaço de difusão de várias correntes de opinião quer do Sim ou do Não.

João Semedo

Dia 11 de Fevereiro, o meu voto será no SIM

 

Um das maiores chagas sociais e um dos maiores problemas de saúde pública em Portugal é a persistência do aborto clandestino, ao qual milhares de mulheres são obrigadas a recorrer todos os anos, correndo riscos graves para a sua saúde física e também psíquica, muitas vezes tendo como dramática consequência a própria morte. Somos felizmente um país razoavelmente desenvolvido, onde há serviços de saúde modernos, tecnicamente bem equipados, com bons profissionais, onde a interrupção da gravidez – seja qual for a razão que levou a mulher a fazê-lo – pode ser feita com todas as condições de higiene e segurança, sem riscos que possam comprometer a saúde futura das mulheres. É desumano e inaceitável que, dispondo destes recursos nos hospitais, não se permita às mulheres portuguesas que deles beneficiem, quando decidem pôr fim a uma gravidez indesejada, sujeitando-as a métodos primitivos e brutais.

Para acabar com esta violência, completamente desnecessária e inútil, não há outra maneira que não seja descriminalizar e permitir a interrupção voluntária da gravidez até às 10 semanas em instalações de saúde com condições para a sua realização, protegendo a saúde da mulher e pondo ao seu dispor os melhores e mais modernos recursos da medicina. No dia 11, votar SIM é, também, votar pela modernidade.

Mas há, ainda, uma segunda grande razão para votarmos SIM no referendo do dia 11. As mulheres como qualquer outro cidadão têm o direito a decidir em liberdade o que querem fazer da sua vida e, em concreto, de uma gravidez indesejada, inoportuna, problemática ou insegura. Têm o direito a fazer o que a sua consciência – e só a sua consciência, lhes ditar sobra a condução da sua própria vida. E essa liberdade não existe se persistir na sociedade portuguesa o risco e o perigo de serem perseguidas, julgadas, condenadas e presas por terem decidido interromper uma gravidez.

Enquanto a IVG (interrupção voluntária da gravidez), o aborto como usualmente se diz, for crime e sujeito a castigo, as mulheres portuguesas não terão essa liberdade de decidir por si próprias, não serão livres para tratarem da sua vida e continuarão a ser humilhadas e discriminadas.  Serão cidadãs de segunda e isso não é próprio nem legítimo no nosso país, na nossa democracia.

No dia 11 é exactamente isso e só isso que está em causa. Os que querem continuar a colocar em risco a saúde das mulheres, a sacrificá-las e persegui-las, a enviá-las para os tribunais e as prisões, esses votarão não. Para que tudo fique na mesma, para que esta situação vergonhosa continue a manchar a realidade do nosso país e a sua imagem lá fora.

Os que recusam o castigo das mulheres e o seu martírio físico, os que dizem não ao aborto clandestino, os que defendem uma maternidade responsável, consciente e em condições dignas e aceitáveis para a educação dos filhos, os que respeitam as opções e a liberdade de decidir das mulheres portuguesas, esses votarão SIM no próximo dia 11 de Fevereiro.

No dia 11 o voto SIM é um voto pela tolerância, pela liberdade, pela responsabilidade.

 

João Semedo, médico e Deputado BE


Publicado por mdl às 12:13
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

. todas as tags

.Links

.Arquivos

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.Links

SAPO Blogs

.subscrever feeds